arquivos do blog

me sigam no instagram

Instagram
Copyright © 2012 Ufologia News. Tecnologia do Blogger.

seguidores

Os meandros do labirinto ufológico

Indevassáveis incógnitas e reflexões contumazes

A vida toda pautei minha atividade ufológica por meditar mais do que falar, raciocinar mais do imaginar, e por antever mais do que querer. O assunto nos fascina, não me canso de repeti-lo. Não há hoje na face do planeta maior desafio para nossa inteligência ou maior assombro para nossas divagações e questionamentos, do que nos imaginarmos sendo visitados por espécies alienígenas. E o somos, de fato. Quer sejam extraterrestres, intraterrestres, dimensionais -Nelson Vilhena GranadoPedro de Campos, o falecido general Uchôa, entre outros, têm feito um vasto e profundo trabalho sobre a vertente dimensionalidade e/ou espiritualística, mas não me sinto ainda capaz de entendê-la, fico, pois, na vertente dimensão física e puramente racional.

Voltemos então ao ponto. Onde estamos? Rigorosa e exatamente no mesmo lugar de sempre. Isto quer dizer que não avançamos nada? Que nada fizemos, nós os civis carentes de tudo, e os militares, com todo o apoio possível, nestes longos sessenta ou setenta anos de profícuas pesquisas ufológicas desde os anos 40, ou antes disso? Claro que não. Admitir ou apregoar o contrário seria desmerecer injustamente o trabalho de gente abnegada, quantas vezes descurando da família e de si mesmo para praticar Ufologia. E eu, que vindo lá dos anos 50 e tendo em conta o trabalho extraordinário desenvolvido por aqueles que nos antecederam, não poderia nunca ignorá-lo. 

Então estagnamos? Também não! Do nosso ponto de vista, não. Já não somos assim tão boçais por discutirmos discos voadores. Temos uma vasta biblioteca, e de âmbito mundial, sobre o Fenômeno UFO e a presença alienígena na Terra, abordando-o sob seus mais diferentes aspectos. Ufologia não é mais um assunto que se discute à boa miúda em recintos fechados. É tópico do dia a dia, está incluída na pauta de discussões de todos os povos. Excetuando-se a escumalha dos aloprados, certa corrente da mídia e um bom punhado de ignorantes no assunto que teimam em contaminá-la com ruídos indesejáveis, já podemos discuti-la abertamente e, por que não dizer, cientificamente. 

Acontece que isso não basta. Não bastou até agora. E não me consta que algo vá mudar num curto espaço de tempo. Por quê? Porque do outro lado dessa enigmática questão, não temos uma esfinge a nos desafiar com o "decifra-me ou te devoro!". Temos, sim, um fenômeno tão estranho, tão dissimulado, inapreensível sob todos os aspectos, embora físico, embora concreto, que, debalde todos os nossos esforços, ele nos escapa pelos vãos dos dedos, e nos frustra cotidianamente.

Neste ponto, para desatarmos o nó Górdio, já que não temos a espada de Alexandre, precisaríamos devassar a cortina de fumaça que obscurece nossa visão para invadirmos o espaço deles e buscarmos as respostas que tanto nos angustiam. Mas como? É o que venho me perguntando todos esses anos. Como? Se não vislumbramos uma brecha, uma vereda, qualquer sinal a nos indicar o caminho? Como? Se eles se apresentam inteiramente à nossa revelia? Manifestam-se completamente alheios a nós? Será que nós não existimos para eles? Sob os aspectos mais emblemáticos desse processo todo, a resposta é não. Já li em algum lugar que nós podemos ser como formigas para eles, ou cobaias.

Ufólogos ainda investigam as reais intenções dos alienígenas, sem uma definição final 

No entender de Salvador FreixedoErnesto BonoFernando Grossman, do falecido Bob Pratt (sob certos aspectos), Reginaldo de Athayde, de James Carrion e de tantos outros estudiosos, é isso o que somos, parece assustador. Se você é capaz de entrar na casa do seu vizinho sem lhe dar a mínima satisfação, sentar-se à mesa e servir-se, apoderar-se daquilo que bem lhe aprouver sem ser incomodado e sem qualquer restrição, seu vizinho pode estar em maus lençóis. Em suma, é isso. Embora estejamos em nosso planeta, nós somos vizinhos deles, quer gostemos ou não.

Quando comecei a me deparar com o fenômeno discos voadores, era menino e lia os gibis do Flash Gordon, do Buck Rogers, entre uma dezena de outros, e assistia-os no cinema. Um cineminha na roça, construído por uma família circense, cujo patriarca era um gênio. Ali conheci duas dezenas de super-heróis dos anos 30, 40 e 50. Era delirante e fantasioso. Talvez por isso minha primeira ideia de um ocupante de um disco voador deveria se assemelhar a um astronauta. Nada mais disparatado e inverossímil. Eu não tinha ainda nenhum curso técnico e meus conhecimentos de ciência resumiam-se ao ginasial (Ensino Fundamental), depois colegial (Ensino Médio). 

Hoje, ligeiramente mais instruído e pondo a prova toda a minha capacidade de raciocínio e discernimento, décadas após, mal consigo formular uma hipótese de quem sejam nossos visitantes. E não estou me subestimando, é a pura verdade. As manifestações ufológicas transcendem em muito minha capacidade de apreensão do fenômeno. Contudo, e com o mais profundo respeito a quem pensa o contrário, ainda me recuso a enveredar por vertentes que fujam dos aspectos puramente físicos da Ufologia. Não consigo conciliar coisas intangíveis, imateriais, com qualquer manifestação física. E, a darmos crédito aos milhares de relatos já registrados em toda a casuística que passaram pelo crivo dos mais capacitados ufólogos, daqui e de fora, o Fenômeno UFO é, a despeito de sua manifestação fantasmagórica, essencialmente físico.

Assim, a questão permanece aberta. As perguntas que nos atormentam estão aí. O que são eles? Quem são? De onde vêm? Alguma espécie de vida, entidades biológicas, mas de natureza absolutamente incompatíveis com a nossa? Ou, ao contrário, seriam robôs, ainda que construídos organicamente, meros replicantes de alguma coisa que surgiu ou foi criada seja lá por quem ou quando, e que, com o tempo, saiu do controle do seu criador? Rompeu-se o cordão umbilical? E se esse criador já não mais existe, mas suas criaturas estão espalhadas por aí, indestrutíveis, entregues à própria sorte, destituídas de quaisquer princípios éticos, morais, filosóficos, culturais, mas dotadas de um impensável poder tecnológico, e à beira da loucura? 

Qual será o desfecho? Quais seriam as consequências para a nossa espécie caso houvesse realmente um encontro entre nós e eles? Ao refletirmos sobre isso, não é difícil entendermos porque os militares, principalmente eles, tanto quanto nossos governos e a Igreja, hão de postergar indefinidamente, se puderem, uma abertura ampla e incondicional. O contrário poderá se dar se, e somente se, à nossa revelia, nossos visitantes provocarem um fato agravante de maneira que não mais seja possível manter indevassável a cortina de silêncio.

Nelson Pescara é veterano pensador da Ufologia e consultor da Revista UFO desde 2011

 
Fonte: Revista Ufo

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

previsão do tempo